netflix-movies-expiring-jan-2014Durante o evento onde a Netflix apresentava os balanços financeiros, o CEO Reed Hastings afirmou que as transmissões de televisão serão encerradas daqui a 15 anos. “É parecido com o que houve com o cavalo: ele foi bom até a chegada dos carros”, explicou Hasting em sua palestra.

O responsável por gerir um dos maiores serviços de streaming do mundo acredita que os consumidores têm adotado formas alternativas de consumir conteúdo. O que até então era feito pela televisão.  De acordo com o CEO, as emissoras deverão se adequar às novas realidades migrando de plataforma.

Para Pedro Ortiz, pesquisador e diretor da TV USP, a televisão vai mudar e já está mudando. Porém não é possível ter um prognóstico exato. “O campo da comunicação é difícil de ser analisado. Quando a fotografia foi criada, disseram que acabariam as pinturas. Quando a televisão foi criada, que acabaria o rádio”, comenta Ortiz.

A TV começou com a junção de profissionais de diversas áreas: teatro, cinema, circo. A linguagem própria da televisão foi se adaptando com o passar dos anos e, para o pesquisador da USP, ela ainda se adaptará por mais alguns anos.  “A TV foi aos poucos construindo sua linguagem, que hoje já dialoga com outras mídias. A televisão foi evoluindo não só do ponto de vista da tecnologia, mas também como as pessoas se relacionam com aquele conteúdo”.

Uma tentativa de sobreviver ao sistema de streaming que vem tomando conta da geração de consumidores de conteúdo na era digital é a digitalização da TV. “No caso particular do Brasil, a migração para a TV digital está sendo feita com uma série de erros. Muitas coisas que foram acordadas estão se perdendo entre acordos políticos, tecnológicos e econômicos. Quem deveria ser responsável pelo sinal digital, por exemplo, as emissoras ou empresas de telefonia?”, questiona.

Por outro lado, a nova geração digital não aceita ser apenas consumidora passiva de conteúdo. A grade horária vertical foi pensada há décadas. “Hoje uma senhora de idade programa seu dia. Às 15 horas ele termina seus afazeres para poder assistir a um determinado programa. A rotina é outra para pessoas mais jovens. As emissoras começaram a disponibilizar o conteúdo online”.

Antigamente o rádio era colocado no centro da sala e a família se reunia para ouvir a programação. Com o tempo, a televisão tomou o lugar do rádio e passou a ocupar a sala nobre da casa. Para Ortiz, o que está acontecendo é o mesmo processo, a televisão não deixará de existir totalmente. Por razões sociais, nem todos têm acesso a uma boa internet. E por razões culturais, mesmo com a infinidade de conteúdo disponível na web, as pessoas ainda sentem prazer em receberem noticias regionais por meio de telejornais.