Mestre em administração, o empresário destaca alguns pontos indispensáveis para quem está à frente de uma empresa

Murilo Sampaio estuda aspectos do mundo empresarial há mais de 20 anos e decidiu colocar todas as suas ideias compiladas em um site que está no ar há quase seis anos. Aqui, falamos um pouco sobre as ideias centrais que o empresário – com muitos projetos bem sucedidos – considera essenciais para os benefícios de uma empresa.

O pensar administrativo de Murilo gira em torno quatro elementos que, para ele, estruturam a organização/empresa. Estes pontos são: Rotina, o local básico a ser destruído. Inovação, como você destrói essa rotina. Estratégia, comunicação entre a inovação e a rotina. Liderança, quem enxerga essa rotina e a necessidade de destruí-la. Além disso, há um quinto ponto, que é o olhar que você deve ter em relação a esses quatro elementos, a Dialética.

Um dos primeiros passos para ser bem sucedido na administração de uma empresa é entender como se dá a sua rotina, os processos essenciais da organização, suas agendas, características e etc, no entanto, organizar a rotina, hoje em dia, não é nenhum diferencial, é preciso transformá-la e, para isso, o empreendedor precisa utilizar com sabedoria o seu papel de líder. A dialética surge porque, ao mesmo tempo em que a rotina precisa ser organizada, ela precisa ser destruída.

Murilo acrescenta que o olhar dialético auxilia o empreendedor a assumir os diversos papeis que ele irá performar enquanto líder.  Quando fala com o empregado, ele é o patrão; quando fala com o investidor, é o empregado; quando fala com o cliente, é o fornecedor e, quando fala com o fornecedor, é o cliente. A dialética é essencial para que o sujeito saiba a maneira correta de se portar em cada uma dessas situações sem gerar ruídos ou conflito, o empresário precisa ter uma completa compreensão da cena e do locus empresarial em que está inserido.

Hoje, todos os líderes querem inovação, mas, ao mesmo tempo, precisam da atuação do nível operacional, que na maioria das vezes é repetitivo. Sendo assim, ainda existe uma divisão entre o discurso e a prática, a dialética entra para trazer o discurso a um nível operacional, fazer uma costura entre o que é possível entre a teoria e prática. Sem a visão dialética, não é possível introduzir e criar uma cultura de inovação.

Apesar de já existirem muitas empresas abertas a acatar as ideias inovadoras de subordinados, ainda é comum encontrar ambientes de trabalho com lideranças voltadas a orientar em um processo impositivo. Normalmente, são consideradas pessoas que dominam dialética, aquelas que falam bem, mas também faz parte do processo, ouvir as pessoas. Os bloqueios podem ser reduzidos quando os lideres confiam nos seus subordinados, e vice-versa.

Murilo acrescenta que um diferencial do seu próprio modo de administrar empresas é empoderar a área operacional de forma ordenada. Não deixando a inteligência das organizações localizadas apenas no topo da pirâmide. “O chão dá fábrica podre trazer soluções que precisam ser acatadas sem desorganizar o próprio chão da fábrica”.

Veja o vídeo da entrevista: https://youtu.be/Rmjys3m46hs

Saiba mais no site do administrador: http://murilosampaio.com/html/