Festival Burning Man chega ao Brasil na virada de 2019

Em versão brasileira, denominado de “Tropical Burn”,  o evento acontecerá no Nordeste do país

Já imaginou viver em uma sociedade na qual não é necessário o uso de dinheiro e as pessoas vivem de forma harmoniosa entre si? Fora das estórias de ficção futuristas, isso é uma realidade que ocorre anualmente no deserto Black Rock, em Nevada, nos EUA, desde 1990, mas só agora chega em solo brasileiro. O evento que, ocorrerá de 27 de dezembro de 2018 a 2 de janeiro de 2019, visa amplificar as relações entre os seres humanos das mais variadas formas, ao dar ênfase para a arte e aos talentos de cada pessoa e como isso pode melhorar a vida de outros.

O festival original tem uma grande galeria de arte a céu aberto, chamada de Praia, que apresenta em seu centro a escultura de madeira gigante denominada “Burning Man”. Essa escultura remete à criação do evento, quando dois amigos, Larry Harvey e Jerry James, improvisaram um homem de madeira, que depois foi queimado. A ideia seria a de que o carpinteiro Harvey Surgiu conseguisse entreter o filho pequeno. Algumas pessoas participaram daquele momento e ocorreu, então, a ideia de que repetissem a experiência no ano seguinte. Teve início o Burning Man, que se mantém até hoje.

O festival, considerado o maior encontro planetária da contracultura na atualidade, ostenta instalações gigantes, barracas enfeitadas e carros decorados sob forte sol do deserto de Nevada. Corpos pintados e pessoas nuas se misturam em um ambiente em que todos são encorajados a se expressarem, de qualquer forma possível, mas com criatividade.

 

Não quero dinheiro, eu só quero amar!

A ausência da necessidade de uso de dinheiro neste festival encoraja as pessoas a trocarem coisas feitas por elas mesmas: isso vai desde algum trabalho manual à própria força de expressão, que pode ser a dança, canto ou qualquer forma de arte. Além disso, não tem nada para vender lá. A proposta é a total liberdade e o desprendimento: leve apenas experiências e deixe só pegadas.

Apesar de não ser um evento musical, nada impede que aconteçam também algumas atrações com bandas e cantores famosos, mas o line up, assim como o local exato do evento só são divulgados próximos à realização do festival.

Os 10 mandamentos do Burning Man

O Tropical Burn seguirá inteiramente a proposta de sua versão original e incentivará o cumprimento de seus 10 princípios, que podem ser conferidos no site oficial.  Entre estes princípios, alguns são:

Inclusão radical: todos são bem-vindos;

Se envolva: o festival promove a participação, uma vez que acreditam que é por meio do envolvimento social que se transformam as relações humanas;

Senso de comunidade: Os membros da comunidade que organizam eventos devem assumir a responsabilidade de bem-estar público e se esforçar para comunicar responsabilidades cívicas para os participantes.

Na descrição do evento, a organização ainda enfatiza:

“Se você acredita que apenas comprando o ticket irá garantir a sua participação no evento, pode esquecer. Isso não é um festival. A cidade temporária só funciona com a participação de todas as pessoas como voluntárias: seja construindo uma instalação de arte, montando um acampamento, trabalhando em 2 ou 3 dias, assumindo tarefas como: cozinhar, servir no bar do seu acampamento, reciclar o lixo e ajudar as pessoas ativamente, todos os dias, o tempo todo.

A equipe de organização do Tropical Burn é responsável por garantir o “quadro em branco” para que os participantes possam criar dentro dele. A organização não constrói palcos, não possui latas de lixo e nem uma equipe de limpeza oficial do evento que irá catar o lixo que você produz. Todos são responsáveis por cuidar da cidade e de qualquer Matéria Fora do Lugar.”

 

Com informações do site Tenho Mais Discos Que Amigos