Diretora de franquia da rede La Pasta Gialla, Laura atua há 19 anos na área, tendo experiência dos dois lados do negócio: como franqueadora e como franqueada

DSC_0016No ano de 2014, o mercado de franquias cresceu 7,7% em relação ao ano anterior. Este ano, apesar da crise econômica no país, o mercado segue em alta, com grandes oportunidades em diferentes setores. Laura Gaspari, diretora de franquia da rede La Pasta Gialla, já atua há 19 anos em operações e administração geral de redes de franquia, tendo em sua trajetória redes como o Bom Grillé e o Fran’s Café.

Apesar do mercado em crescimento, Laura ressalta alguns pontos a serem observados antes de investir em uma franquia. O primeiro deles é a noção do mercado em si e a postura do franqueado em relação o negócio. “O franqueado quando busca uma franquia, muitas vezes desconsidera uma coisa que é inerente ao negócio, que é o risco. Por menor que ele seja, quando a gente está falando de uma franquia, ele existe e tem que ser considerado”.

O segundo ponto ressaltado por ela é a relação do perfil do franqueado com a franqueadora. Muitas vezes, as expectativas e noções estratégicas de quem busca uma franquia não coincidem com a franqueadora, o que pode gerar conflitos no futuro. “As marcas mais novas têm mais flexibilidade, já que a coisa está nascendo ali. As franqueadoras mais antigas já estão mais formatadas e são mais formais. Nesses casos o franqueado consegue se envolver muito pouco em decisões estratégicas”. A diretora de franquia aponta também a importância do papel do responsável pela rede em identificar perfis de candidatos e dizer não quando necessário.  “Acertar a expectativa é a melhor coisa para manter uma rede de fato sustentável. Não adianta pegar alguém que está fora do perfil, ou que tem expectativas de que aquele negócio não vai render, e trazê-lo para a sua rede. Você vai manter uma unidade durante pouco tempo e em seguida vai fechar as portas ou repassá-la, não tem como ser diferente”.

Franqueada da rede Golden Services, Laura comenta a importância de sua experiência dos dois lados desse mercado para seu crescimento profissional. “Só quem consegue vivenciar os dois lados do balcão é que consegue de fato andar com o sapato de quem está do lado de lá. A franqueadora impõe muitas regras que são essenciais, eu diria. Mas para saber como fazer essas regras funcionarem é muito importante que a gente tenha a visão do franqueado”.

Como grande vantagem para novos investidores, Laura aponta a segurança diferenciada do negócio. “Se uma pessoa tem muita vontade de ter um restaurante e nunca operou um, é evidente que as chances de isso dar certo é muito maior se você esta comprando uma marca que opera restaurante há 20 anos, por exemplo”. A gestora relata ainda que, segundo dados do Sebrae, aproximadamente 60% dos negócios que não são franquias fecham em seus três primeiros anos de operação. “O franqueado tem acesso a todo know-how que a franqueadora desenvolveu ao longo de anos de operação”. No entanto, Laura alerta que a postura de acreditar que ao adquirir uma franquia terá 100% de sucesso deve ser evitada. É necessária a presença e dedicação do franqueado  para garantir o êxito de seu novo investimento.