Integrada por um pousador e um veículo explorador, a sonda chinesa Chang’e-4 desceu na área pré-selecionada no lado escuro da Lua às 10h26 (hora de Pequim),anunciou a Administração Nacional Aeroespacial da China. Aterrizada no lado escuro da Lua na quinta-feira (2), tornou-se a primeira nave espacial a fazer pouso suave no lado inexplorado do satélite, jamais visível a partir da Terra.

O foguete Long March-3B, que transporta a sonda, decolou do Centro de Lançamento de Satélites de Xichang, na província de Sichuan, no último dia 8.

A missão realizará tarefas de observação astronômica de rádio de baixa frequência, análise de terreno e relevo, detecção de composição mineral e estrutura da superfície lunar e medição da radiação de nêutrons e átomos neutros para estudar o meio ambiente.

300º foguete

O Programa Espacial da China atingiu um importante marco em sua história ao lançar o seu 300º foguete desde 1956, ano em que teve seu início. O lançamento serviu para levar um foguete chinês para a órbita terrestre e aconteceu no Centro de Lançamento de Satélites de Xichang, cidade localizada na região sul da província de Sichuan.

A ação envolveu o uso de um foguete do tipo Long March 3B para carregar um satélite ChinaSat 6C até a órbita do nosso planeta. Essa é a 17ª variante do foguete original, que agora tem a capacidade de carregar até 27,6 toneladas para o espaço. Caso a agência chinesa desejar, ela pode levar 15,4 toneladas a altitudes ainda maiores.

O primeiro lançamento de um foguete Long March chinês aconteceu no dia 24 de abril de 1970. Ele levou o primeiro satélite do país, Dongfanghong-1, até a órbita terrestre com um peso de 300 kg a bordo.

Os chineses então levaram 37 anos para alcançar a marca de 100 lançamentos. Depois disso, os próximos 100 levaram apenas outros 7 anos para chegar, em 2014. Isso significa que a China levou 100 foguetes ao espaço nos últimos 4 anos.

A empresa responsável por construir os foguetes se chama Great Wall Industry e teve participação em 96% dos lançamentos da China.

*Com informações da Agência Xinhua, da China