Startup visa gerar energia no espaço com o auxilio de um refletor em órbita 

O brasileiro Alexandre Paris, 33 anos, teve seu projeto eleito como um dos cinco projetos mais promissores apresentados pelos alunos do programa de verão da Singularity University na última semana. Paris apresentou o projeto de sua primeira startup, a ReBeam, juntamente com um colega indiano, Gadhadar Reddy, e o espanhol Jordi Espargaro.

Localizada em uma base de pesquisas da NASA no estado da Califórnia, nos Estados Unidos, a Singularity University é conhecida por ser uma das mais prestigiadas instituições de inovação do mundo, que tem como missão capacitar líderes com as mais modernas tecnologias para o enfrentamento de grandes problemas globais. A instituição selecionou dez empresas, ao final do seu curso de verão, para o programa de pré-aceleração de startups da universidade, e a ReBeam está entre elas.

Mesmo tendo sua ideia amplamente questionada desde o início na universidade, o trio seguiu firme com o projeto ambicioso de criar uma tecnologia capaz de gerar energia no espaço, na qual seria possível captar energia solar até mesmo em dias nublados ou durante a madrugada. A ideia se tratava de colocar refletores de micro-ondas em órbita, assim, poderiam refletir energia irradiada por locais do planeta com luz solar para outros que estivessem no escuro. “Mandar qualquer coisa para o espaço é muito caro, mas o nosso projeto quer colocar em órbita apenas um refletor feito de material muito leve”, conta Paris.

Depois de duas semanas de férias, Alexandre voltará ao campus da NASA na próxima segunda-feira (12), onde terá dois meses para desenvolver e dar continuidade a sua ideia promissora de criação de energia limpa no espaço.

Fonte: Exame.com