SpaceX promete voos intercontinentais de foguete até a próxima décadaOs planos da empresa preveem a possibilidade de viajar de Nova York a Paris em apenas 30 minutos

A empresa do bilionário Elon Musk, SpaceX, de serviço de transporte espacial, promete disponibilizar voos de foguete intercontinentais até a próxima década, segundo Gwynne Shotwell, presidente e diretora de operações.

Um foguete grande, com capacidade de 100 pessoas, alcançaria velocidade de até 27.000km/h. A aeronave que vem sendo desenvolvida, apelidada de BFR (Big Fucking Rocket), tem 106 metros de altura e, além das cabines, é equipado com uma cozinha e um abrigo, para a ser usado durante tempestades solares. Com seus 31 motores de modelo Raptor, seria possível ir de Nova York até Paris em apenas 30 minutos, ou de Los Angeles a Toronto em 24 minutos.

SUBSTITUTO DO CONCORDE

O mais perto que já chegamos de voos tão velozes foi com o Concorde, avião supersônico lançados no final da década de 1960, que atravessava do Rio de Janeiro a Paris em 6 horas, trecho que normalmente demora de 12 a 14 horas. A velocidade máxima alcançada era de 2.500 km/h. Entretanto, no final dos anos 1970, essas aeronaves entraram em desuso por precisarem de uma quantidade absurda de combustível e, por consequentemente, poluírem muito o meio-ambiente.

Já os foguetes não teriam esse problema. Ao cruzar a estratosfera, eles alcançam uma altitude em que quase não há resistência do ar. A velocidade aumenta e a queima de combustível cai consideravelmente, com a vantagem de reduzir o impacto ambiental. Essas condições permitiriam que um mesmo foguete fizesse até dez viagens em um mesmo dia, enquanto um avião comum se limita a um voo por dia.

Levando essa economia em consideração, o preço de uma viagem de foguete poder não ser tão alto quanto se pode imaginar. O custo de uma passagem estaria entre o de voos da classe econômica e da executiva, segundo os cálculos da empresa. Vale lembrar que a SpaceX é a mesma companhia que promete viagens tripuladas a Marte até 2024, a começar por duas missões de carga como teste, em 2022.