O Prêmio Empreendedor Social realizado pela Folha de S.Paulo em parceria com a Fundação Schwab, uma das comunidades do Fórum Econômico Mundial, chega a sua 14ª  edição. O evento será no dia 12 de novembro no Teatro Porto Seguro, em São Paulo. Antes disso, os projetos selecionados serão apresentados na primeira edição do Festival de Inovação e Impacto Social, realizado pela Folha, em parceria com a Turma do Bem e a Lunedi, em Poços de Caldas (MG), de 2 a 7 de novembro.

Os seis finalistas que acabaram de ser anunciados foram escolhidos entre mais de 160 inscritos.  As causas trabalhadas esse ano apresentam soluções inovadoras que envolvem política, violência, cultura de doação e sustentabilidade no campo e na cidade.

O júri especial escolherá os vencedores que receberão prêmios que vão desde bolsas de estudos, cursos de gestão, assessoria jurídica e mentorias, até uma vaga em uma comunidade de mais de 300 líderes de projetos sociais e negócios de impacto ao redor do mundo. Conheça um pouco sobre os três projetos que concorrem em cada categoria.

Categoria Empreendedor Social

Roberta Faria e Rodrigo Pipponzi criaram a Editora Mol há dez anos. A maior parte da renda obtida com a venda de seus produtosé revertida para causas como o Grupo de Apoio ao Adolescente e Criança com Câncer (Graac) e Instituto Ayrton Senna. Doiando R$ 5 de cada R$ 6 recebidos eles já distribuíram R$ 26 milhões a 39 ONGs.

Pedro Paulo Diniz, ex-piloto de Fórmula1, construiu uma incubadora de 2.300 hectares equipada de sistemas que imitam a natureza, regeneram o solo e abolem agrotóxicos. Seu plano é alcançar um milhão de hectares.

O boxeador britânico Luke Dowdney está à frente do projeto Luta pela Paz, que já ensinou artes marciais para 250 mil crianças e jovens em favelas e comunidades violentas no Brasil.

Categoria Empreendedor Social de Futuro

André Biselli e Victor Castello Branco criaram a Ecolivery Courrieros para realizar entregas ecológicas em São Paulo com bikes e triciclos. O projeto emprega e ajuda na inclusão de ex-presidiários, refugiados e portadores de deficiência.

A designer Júlia de Carvalho inventou a ONG Fast Food da Política, que promove a conscientização e educação política por meio de jogos de tabuleiro e online.

Mathieu Anduze e Raphael Mayer elaboraram a Simbiose Social, uma plataforma para que projetos culturais e empresas interessadas nas leis de incentivo possam encontrar o seu “match”, com transparência na aplicação da verba.

Fonte: Folha de S.Paulo