O Grupo Asperbras, fundado no Brasil há 50 anos e que hoje atua em três continentes, apresenta sua mais nova iniciativa: a GreenPlac, fábrica de MDF recentemente inaugurada, no Mato Grosso do Sul. “A Greenplac nasceu como alternativa para o uso de floresta de eucalipto”, diz José Maurício Caldeira, da Asperbras.

“Nos foi apresentado um estudo, pela nossa área técnica, de um projeto de fábrica de MDF e começamos a dar corpo nisso”, afirma Caldeira, que é acionista do grupo e integrante de seu conselho de administração. Ele ressalta que a partir desse momento houve a definição do local: Água Clara, no Mato Grosso do Sul, em uma região que já possui uma história muito próxima ao empresário, pois foi lá que, há 30 anos, os fundadores da Asperbras adquiriram fazendas de gado, posteriormente usadas também para o plantio de eucalipto.

Os estudos da Asperbras, que tiveram participação também da Siempelkamp, gigante alemã e referência mundial na produção de tecnologia de fabricação do MDF, demonstram sua viabilidade. Daí surgiu o projeto, que levou três anos para ser implantado, ao custo de mais de R$ 600 milhões – um dos maiores investimentos produtivos do Brasil no período recente.

Instalada em uma região onde predominam florestas plantadas de pinus e eucalipto, a GreenPlac utiliza tanto a madeira produzida em florestas do próprio Grupo quanto a produção de terceiros. Água Clara, de apenas 15 mil habitantes, mudou de realidade com a criação de 700 empregos diretos e indiretos, fator que está transformando toda a cadeia produtiva da região.

A fábrica foi planejada dentro do conceito de sustentabilidade, com utilização da água de chuva e tratamento de efluentes. Seu funcionamentos  se dá por energia limpa, pois ela utiliza consome praticamente a mesma eletricidade que é produzida por outra empresa do grupo, a Usina de Biomassa de Guarapuava (PR). Sua geração energética ocorre com a queima de sobras de madeira da indústria moveleira. Dessa forma, há equilíbrio entre o consumo de energia e sua produção, de forma sustentável.

Confira a entrevista: